Please reload

Posts Recentes

Redes de Monitoramento Cidadão fazem análise de consistência de indicadores públicos

October 9, 2017

1/2
Please reload

Posts Em Destaque

Rede de Monitoramento Cidadão realiza Pesquisa de Opinião Pública

September 4, 2017

A Rede de Monitoramento Cidadão realiza, neste mês de setembro, uma pesquisa de opinião pública para entender como os cidadãos percebem o avanço, ou não, do desenvolvimento sustentável da cidade onde moram e quais os temas que consideram mais importantes para o futuro dela. A pesquisa é uma das principais ações da RMC e está sendo executada pela Baobá - Práticas Sustentáveis, agência executora do Projeto Redes de Monitoramento Cidadão, nas cidades de Florianópolis (SC), Goiânia (GO), João Pessoa (PB), Palmas (TO) e Vitória (ES).

 

No último mês, o coordenador geral do Projeto Redes de Monitoramento Cidadão, Fernando Penedo, e a consultora da Baobá, Andiara Caneo, percorreram as cinco cidades do Projeto, onde capacitaram mais de cem pessoas. O grupo, em sua maioria formado por alunos e professores de universidades associadas à RMC, está responsável pela coordenação da pesquisa, realização de entrevistas e digitalização dos dados.

A ferramenta possibilita levantar a opinião dos cidadãos sobre mais de 20 temas relacionados ao desenvolvimento sustentável da cidade e a qualidade de vida de seus moradores. Além disso, ao final do questionário, o entrevistado ainda tem a oportunidade de enumerar os problemas que mais afetam a sua qualidade de vida, como serviços de água potável, serviço de coleta de resíduos, ruídos incômodos, emprego e qualidade de moradia. “É muito importante para a Rede de Monitoramento Cidadão saber o que as pessoas pensam, para que possa continuar trabalhando, de forma assertiva, pela melhoria da qualidade da vida urbana, apontando para o governo o que realmente é uma prioridade para os moradores da cidade”, ressalta Penedo.

 

A metodologia possui uma margem de erro pequena e determina que a pesquisa seja realizada nas diferentes regiões da cidade. “A espacialização da pesquisa possibilita conhecermos as necessidades não só da cidade como um todo, mas das suas diferentes localidades”, explica Penedo.